Processos colaborativos do desenho técnico nas empresas (Part6)

Continuação – https://rishivadher.blogspot.pt/2017/02/processos-colaborativos-do-desenho.html
2.1 Tipo 1: liderança conceptual orientada pelo processo
imagem06IMAGEM06
Os desenhadores industriais desempenham um papel dominante na decisão do desenvolvimento do produto na fase inicial do tipo 1, existem quatro fases de acordo com os blocos do processo como observar na IMAGEM06.
A primeira fase do desenho conceptual 1: os desenhadores industriais desenvolvem de forma independente o conceito do produto sem qualquer interferência de outros departamentos, eles se concentram principalmente nos aspetos relevantes para o exterior estético e a experiência do utilizador, os desenhadores indústrias raramente consideram as partes internas, o que lhes dá muita liberdade, produzem dados CAD para o exterior e alta qualidade de imagens renderizadas para testar o conceito. Uma vez que a forma exterior é finalmente decidirem em produzem uma maquete do desenho um protótipo não funcional, para verificar o conceito. Finalmente, o melhor desenho é selecionado numa reunião de avaliação do desenho. Os resultados finais são nesta fase 3D CAD de forma externa e um modelo do desenho. Os desenhadores de engenharia não tomam nenhuma ação nessa fase. Principalmente pelo que não são criteriosas do que os desenhadores industriais estão a desenhar.
Segunda fase o planeamento de produto: O departamento de planeamento do produto decide sobre a comercialização do desenho selecionado assim como sobre o mercado-alvo, preço-alvo e custo do material do desenho. Finalmente preparam um documento de planeamento do produto e estabelece-se uma direção específica para a comercialização do desenho.
Terceira fase o desenho conceptual e ou alterações: O documento de planeamento do produto da fase anterior e os dados CAD 3D finais desenvolvidos pelos desenhadores industriais são os insumos iniciais dados aos desenhadores de engenharia. Os desenhadores de engenharia revisam a viabilidade do conceito de projeto proposto pelos desenhadores industriais, devido ao qual os desenhadores de engenharia adquirem tecnologias relevantes e organizam as peças internas nos dados CAD 3D para testar se todas as peças funcionais internas indispensáveis que podem ser colocadas dentro da forma externa. Algumas vezes os desenhadores de engenharia produzem protótipos experimentais para testar se o desempenho desejado pode ser implementado com a forma exterior pré-definida. Como os desenhadores industriais não consideram as partes internas na definição da forma exterior, os desenhadores de engenharia têm dificuldade em organizar as partes internas dentro da forma dada. Assim modificar a forma exterior é de alguma forma inevitável. Portanto existe um processo correspondente ao desenho conceptual de engenharia que é a modificação da forma pelos desenhadores industriais. Os desenhadores industriais utilizam os dados de layout recebidos dos desenhadores de engenharia para modificar a forma exterior. Neste ponto que os dois objetivos colidem uns com os outros, os desenhadores industriais tentam manter a forma original, enquanto os desenhadores de engenharia exigem a modificação para garantir funcionalidade e desempenho. Nesse processo ocorre uma interação muito próxima, sendo o resultado dados 3D CAD sobre a forma exterior e o layout da peça interior.
A quarta fase o desenho de detalhe teste e produção ou acompanhamento: A partir desta fase, os desenhadores de engenharia lideram o processo em todas as partes. Os desenhadores de engenharia decidem a geometria e a estrutura composicional de cada peça com base nos dados CAD 3D determinados na fase anterior. Devido à consideração da produção em massa ou teste de confiabilidade, ´também requisitado aos desenhadores industriais realizarem pequenas modificações do desenhado exterior. Após a conclusão do desenho de detalhe, protótipos de trabalho chamados amostras de engenharia são produzidos para verificar a forma e funcionalidade. Neste ponto os desenhadores industriais avaliam em que medida a forma exterior foi produzido em conformidade com o seu conceito do desenho. Em seguida os desenhadores de engenharia decidem sobre fornecedores produzem moldes e testam protótipos de pré-produção através de múltiplos processos de eventos para melhorar a confiabilidade do desempenho e a durabilidade do produto.
Por outro lado através do acompanhamento os desenhadores industriais decidem sobre como aplicar cor, gráficos, materiais e acabamento superficial ao produto e fornecer especificações relevantes aos desenhadores de engenharia. Para cada protótipo de trabalho produzido, os desenhadores industriais testam a qualidade estética e emocional com as especificações. Quando eles dão sua aprovação e o seu papel oficial no processo de desenho termina, a menos que eles aprovem aprovação, os desenhadores de engenharia devem produzir e testar as partes numa pergunta novamente. Descobriu-se que todas as seis empresas têm esse mecanismo para manter a qualidade do desenho de produto.
O tipo 1 é oposto à opinião convencional que um processo novo do desenvolvimento de produto que começa identificando as necessidades do mercado através da pesquisa de mercado ou desenvolvendo uma tecnologia nova. Começa com conceção de desenhadores industriais puros com plena liberdade e isso implica que novos produtos possam ser desenvolvidos com base em imagens que os desenhadores industriais imaginem que em suas mentes. Isto é inconsistente com os processos de concepção de produto descritos na disciplina de concepção de engenharia, onde os papeis para os desenhadores industriais no desenho conceptual está a falhar.
Considerando as teorias relacionadas que sugerem que a criatividade acontece antes da análise aprofundada dos problemas numa abordagem orientada a soluções como os geradores primários e o modelo da análise de conjeturas, e outras descobertas previamente argumentas e relacionados que seriam as melhores estratégias para uma empresa dar aos desenhadores industriais liberdade e autonomia na geração de conceitos de soluções criativas sem interferência externa. Na verdade, o tipo 1 é empregado em duas situações: uma é desenvolver novos produtos conceituais em forma e função, incluindo o desenvolvimento de novas categorias de produtos como nas empresas A e E, e o outro é lançar um novo modelo de um produto existente o mais rapidamente possível como na empresa C. Este último caso parece ser possível quando há desenhos de referência abundantes para que os desenhadores industriais sejam capazes de decidir sobre as dimensões dos produto e elementos exteriores, sem qualquer especificação do produto, quando o tempo de entrega é curto.
2.2 Tipo 2: liderança no resultado no interior do processo
 imagem07
IMAGEM07
As empresas que utilizam este processo para desenvolver novos tipos de produtos ou modificar os existentes, em ambos os casos ao contrário do tipo 1 a equipa de planeamento do produto inicia o processo, podendo explicar o tipo 2 em quatro fases, como mostrado na IMAGEM07.
A primeira fase do planeamento do produto: A equipe de planeamento do produto cria um documento de planeamento do produto para iniciar o desenvolvimento dum produto aonde se define um mercado-alvo, preço-alvo e especificação do produto. Ao desenvolver uma versão modificada dos produtos existentes, decide-os de acordo com os produtos existentes, incluindo os dos concorrentes. Ao desenvolver um novo produto, os desenhadores de engenharia ajudar a decidir sobre estes em que o resultado desta fase é um documento de planeamento do produto.
Segunda fase o desenho conceitual 1: ao receber o documento de planeamento do produto do departamento de planeamento do produto, os desenhadores industriais decidem sobre o exterior do produto e o respetivo interior, eles adquirem itens funcionais necessários para o produto que está sendo desenvolvido em conformidade com a dimensão do produto e especificação, e também derivar conceitos forma de investigação sobre os utilizadores ou tendências do desenho. Em seguida eles organizam as partes interiores para decidem sobre a forma exterior, evitando qualquer colisão entre as partes interiores e da forma exterior pretendida, assim eles conseguem ir para a frente e para trás entre o desenho de forma externa e a disposição das partes internas.
Houve uma pequena interação entre os desenhadores industriais e desenhadores de engenharia nesta fase. Para o evento final a avaliação do desenho prossegue com maquetes não funcionais do desenho. Assim o resultado nessa fase são os dados 3D CAD relativos à forma exterior e ao layout inicial do produto e uma maquete do desenho.
Terceira fase o desenho conceptual e a moiação da forma: ao receber os dados CAD 3D dos desenhadores industriais, os desenhadores de engenharia inspecionam de perto a viabilidade e operabilidade das peças interiores em conexão com a forma exterior e desenvolvem o layout final. Enquanto os desenhadores de engenharia verificam e frequentemente solicitam aos desenhadores industriais para modificar o layout ou a forma externa. Assim, a atividade do desenho industrial prossegue com um processo correspondente, no entanto a mudança de forma não é tão significativa quanto no tipo 1 porque se decide que a forma exterior em conexão com as partes interiores na fase anterior. O resultado nesta fase são os dados 3D CAD sobre a forma exterior final e o layout definitivo das partes interiores.
Quarta fase desenho de detalhe teste e produção ou acompanhamento: esta fase não é significativamente diferente da do tipo 1.
Uma característica notável do tipo 2 é o envolvimento dos desenhadores industriais na organização de componentes funcionais internos ao decidir a forma exterior na segunda Embora o conhecimento dos desenhadores industriais sobre a ligação entre o layout interior e a forma externa seja menos focado na engenharia, este caso demonstra claramente que o papel dos desenhadores industriais se estendeu além do que normalmente esperamos, como resultado os desenhadores industriais tornam-se influentes e tornam a iniciativa na tomada de decisão, além disso os desenhadores de engenharia estão envolvidos nesta fase, assim espera-se que o layout fosse um trabalho exclusivo de engenheiros como sugerido pela literatura de engenharia. Assumimos que pelo menos os desenhadores de engenharia forneçam aconselhamento e orientação para aos desenhadores industriais. No entanto estes esperavam que os dados chegassem dos desenhadores industriais e concederam aos designers industriais liberdade para completar a forma externa em conexão com a estrutura interna de um produto. A política do primeiro desenho da empresa parece ser a principal razão neste momento.
2.3 Tipo 3: liderança no interior do primeiro processo
Continuação – https://rishivadher.blogspot.pt/2017/03/processos-colaborativos-do-desenho_23.html
Enviar um comentário