Processos colaborativos do desenho técnico nas empresas (Part2)

Continuação – https://rishivadher.blogspot.pt/2016/11/processos-colaborativos-do-desenho.html
1.1.1 Seleção das empresas
Para aumentar a aplicabilidade, o processo do desenho deve ser entendido dentro do contexto e no ambiente de uma empresa. Como tal estabelecem-se três critérios a explorar em empresas especificas, os três critérios adotados são os seguintes: primeiro as empresas devem produzam produtos meio complexos de consumo eletrônicos. Segundo as empresas devem ter serviços independente de desenho industrial e engenharia nos departamentos de projeto. Terceiro as empresas devem ser empresas líderes no mercado de produção de bem concebidos produtos de alta qualidade.
O primeiro critério permitiu a seleção de produtores em similar no contexto do domínio do produto em que os desenhadores industriais e os desenhadores de engenharia possuem papéis relevantes. Os fabricantes que produzem produtos de consumo simples exigem um papel menor dos desenhadores de engenharia, pelo que além disso o desenvolvimento dum foguete não precisa da participação de um desenhador industrial. Pode-se afirmar que os produtos eletromecânicos de modesta complexidade requerem papéis igualmente importantes aos desenhadores industriais e de desenhadores de engenharia. Com base na classificação de produtos de consumo de engenharia com complexidade como por exemplos de produtos complexos modestos são berbequins elétricos e máquinas de lavar. Deste modo os produtos de consumo eletrônicos de complexidade média referem-se a bens eletrônicos de consumo diário que são produtos de engenharia que integram integralmente sistemas eletrônicos e mecânicos. Embora o primeiro critério seja satisfeito, algumas empresas, como fabricantes de equipamentos originais (OEM), ou pequenas empresas têm um departamento de desenho industrial ou de desenho de engenharia, ou nenhum, em tais casos pode ser utilizado um desenhador industrial ou de engenharia duma empresa externa de consultoria. Este processo de colaboração interno será diferente do que acontece entre os departamentos de desenho industrial e de engenharia residentes da empresa. Para aumentar a aplicabilidade dos resultados da investigação tentou-se explorar casos com contextos semelhantes, assim que o segundo critério fosse preenchido. Finalmente, as empresas líderes que produzem produtos de excelência na conceção e de alta qualidade poderiam fornecer dados razoáveis e adequados para a investigação, e os resultados seriam uma boa fonte de referência para outras empresas. Podendo assim ser apontado que as boas praticas do desenho que acorrem seriam benéficas para entender e estabelecer métodos mais eficientes, sendo esta a razão para o terceiro critério.
Após a seleção das empresas com os critérios acima mencionados, sendo primeiramente, aplicamos os primeiro e terceiro critérios à lista das empresas que receberam um prémio de bom desenho nacional do corrente ano, sendo este concurso popular entre muitas empresas de mercado líderes nacionais. Como resultado pode-se obter alguns nomes de empresas, e em seguida contacta-se cada empresa com informações de contacto nas listas de adjudicatários e questiona-se se possuem departamentos independentes de investigação como o segundo critério e se estarão dispostos a participar num estudo, podendo finalmente obter uma seleção de empresas como se pode observar na Tabela01.
Empresa Área de negócios Desenhadores indústriais Desenhadores de engenharia
Empresa A Eletrodomésticos 10 – 20  50 – 100 
Empresa B Produtos de TI 5 – 10  5 – 10 
Empresa C Comunicações Móveis 40 – 50  50 – 100 
Empresa D Comunicações Móveis 50 – 100  100 – 200 
Empresa E Dispositivos de Segurança 5 – 10  20 – 30 
Empresa F Eletrodomésticos 5 – 10  30 – 40 
TABELA01
1.1.2 Seleção dos desenhadores
A seleção dos desenhadores para as conversas com métodos de amostragem proposital e com um efeito de bola de neve, em que o diretor geral de cada empresa sugere aos seus desenhadores que por sua vez sugeriram aos seus colegas de trabalho e ao fazê-lo, selecionamos entrevistados que satisfazem os três critérios: primeiro o desenhador ter mais de dois anos de experiência na empresa; segundo o preenchimento de e pelo menos um campo no ciclo do processo de desenvolvimento do produto; terceiro a colaboração e interação próximas com as partes interessadas como o desenhado  industriais versus os desenhadores de engenharia. O número pretendido de conversas numa empresa foi de seis desenhadores industriais e de engenharia, seja três de cada para manter o equilíbrio. No entanto nem sempre se pode recrutar o número necessário pelo que apenas dois desenhadores de engenharia da empresa B e F, no total de dezoito desenhadores industriais e dezasseis engenheiros participaram como nas conversas e sua experiência de trabalho variou de dois a quinze anos.
1.1.3 Procedimento de encontro
Tenta-se utilizar um método semiestruturado de entrevista em profundidade seguindo instrução sugerida por alguma literatura. Inicialmente listam-se cerca de vinte questões detalhadas e agrupam-se por quatro temas principais: informação pessoal; processo do desenho; função e especialização; e interação. Em seguida formula-se quatro questões-chave:
– Qual é a sua posição e função na empresa?
– Como o acompanha o processo do desenho de produto e o que aconteceu durante o processo?
– Que tarefas tem no processo do desenho e que conhecimento e perícia tinha exigido para executar os desenhos?
4) Como os desenhadores industriais e desenhadores de engenharia interagem entre si durante o processo do desenho?
A entrevista começou com a primeira pergunta sobre os papéis dos entrevistados nas suas equipas e experiências de trabalho, seguido pelos processos de desenvolvimento de produtos que experimentaram e suas tarefas nesses processos. Quando um entrevistado hesitou em começar a falar por falta de atenção para especificar um momento para se lembrar, é lhe fornecido um contexto detalhado, como por exemplo “Suponha que hoje é o ponto de partida para o projeto em que esta envolvido e que conte o que aconteceu.” Isto segue o conselho para um bom questionário num estudo duma entrevista; assumindo, alternativas, e as ideais interpretativas. Para restringir algumas inconsistências causadas por vários pelos entrevistadores, as entrevistas foram realizadas apenas por uma pessoa, tendo essa pessoa pelo menos dez anos de experiencia na industria do desenho e desenvolvimento de produtos, o que limita a possibilidade de mal-entendido a situação do desenho descrito pelos entrevistados. Para evitar o viés em relação à experiência do entrevistador, esta investigação segue o processo de suspensão de juízos no qual os preconceitos e suposições sobre um fenômeno são bloqueados para examiná-lo no mundo dos participantes. Portanto o entrevistador ignorou o fenômeno de pré julgar quando se sentia a julgar a resposta do entrevistado. As conversas devem de ser em salas silenciosas de cada empresa, e gravadas, para ajudar a conversar e registrar informações suplementares, e realizar notas de campo, por vezes os entrevistadores podem produziram desenhos na nota para fornecer uma descrição detalhada.
Sabe-se por experiência que noventa é apropriado para um tempo de conversa aprofundado, porque respondem à entrevista com seriedade dentro deste tempo e as respostas dos informantes tendem a diminuir à medida que o tempo excede os noventa minutos. O tempo de entrevista planejado de noventa minutos seguindo a diretriz, mas sem controle, pelo de dever de dar como terminada a entrevistas quando os dados forem suficientes sobre as questões observadas e que a nova informação das respostas é diminuída. A função de gravação de deteção de voz no gravador nos permite realizar pausas o pode dar gravações até cem minutos por entrevistado, podendo ser transcritas.
1.2 Identificação de processos do desenho técnico
1.2.1 Identificar processos do desenho técnico que cada indivíduo experimenta
Continuação – https://rishivadher.blogspot.pt/2017/01/processos-colaborativos-do-desenho_13.html
Enviar um comentário