Processos colaborativos do desenho técnico nas empresas (Part3)

Continuação – https://rishivadher.blogspot.pt/2017/01/processos-colaborativos-do-desenho.html
1.2.1 identificar processos do desenho técnico que cada indivíduo experimenta
Apesar de alguns dos dados transcritos conterem informações relacionadas aos processos do desenho todos estes se entrelaçavam com outros conteúdos, incluindo a situação e o objetivo do projeto, os papéis dos indivíduos, habilidade e conhecimentos necessários, conflitos entre atores, imagens percebidas entre si, etc. Inicialmente pode-se formular uma estrutura de codificação, revendo literatura relacionada para identificar elementos dos processos que foram utilizados para construir o processo do desenho, isto pode ser confirmado consultado as notas das conversas da empresa as vezes necessárias. As duas perspetivas sobre a modelação de processos, processos de visualização como processamento de informações e sistemas de transição de estado fornecem vestígios significativos sobre a codificação de categorias de elementos de processo para a modelação dum processo.
Na perspetiva do processamento da informação pode ser observado que o desenvolvimento do produto e suas atividades como um processo de aquisição, criação, interpretação, transformação e transferência de informações. A maioria das atividades de desenvolvimento dos produtos requer um conjunto de inputs e produtos como resultados de atividades, resultados preliminares, relatórios de status, etc. Este ponto de vista pode ser apoiado por uma extensa literatura sobre o processo de desenho e organização, que descreve isso como a informação necessária para o resultado final que é injetada para a transformação dum problema de desenho atual para o próximo problema que diminui a incerteza, produzindo assim a produção até que o resultado final seja formado. Isto é modelação de como um processo de transformação duma especificação funcional input em uma especificação de artefacto-output. Pode ser apontado que a modelação de processos com a perspetiva do processamento da informação não consegue capturar o fluxo total de informações porque a interação é mal compreendida. Estes discutem a importância de identificar interações entre unidades organizacionais, porque incorreram em dependência entre atividades que estabelecem padrões de fluxos distribuíveis. Em conclusão os elementos básicos da modelação de processos nessa perspetiva são resumidos como fluxo de informação com a representação IPO-InputeProcesseOutput e interação de unidades organizacionais como pessoa, equipe, empresa, etc..
Na perspetiva de transição de estado, pode-se tentar descrever um processo de desenho como o processo de movimentação dum estado para outro executando uma tarefa em cada estágio e avaliando as atividades do desenho. Isto é consistente com os modelos na fase inicial onde a atividade do desenho acontece a cada estágio e a produção de projeto do estágio é avaliada na revisão de projeto, onde uma decisão é tomada entre ir para a próxima etapa, repetir o estágio atual ou rejeitar o projeto. Esta perspetiva é defendida na maioria dos modelos baseados em estágios. Um modelo baseado no estágio é composto duma ação que se destina a executar uma tarefa, e uma decisão que é destinado a avaliar os resultados da execução da tarefa; cuja conclusão constitui a progressão para a próxima fase. Além disso o fluxo de informações que acompanha a entrada e a saída ocorre quando se salta de um estágio para outro ou se liga entre subprocessos. O modelo de processo dos desenhos de engenharia proposto demonstra entradas e resultados claros de cada etapa. A entrada do primeiro estágio é a tarefa e o resultado é a especificação que entra na próxima etapa como uma entrada novamente. Desta forma os estádios sequenciais de desenvolvimento conectando insumos e resultados são extraídos. Em relação ao termo tarefa e atividade do desenho utiliza tarefa para significar o ponto de partida inicial do desenho diferente da tarefa executado em cada etapa. No entanto esses dois termos são utilizados de forma semelhante para indicar o desempenho do trabalho do desenho e, portanto, pode haver um consenso geral sobre o processo do desenho de conectar e prosseguir as tarefas interdependente.
Tomadas na perspetiva de transição de estado pode haver duas atividades: executar tarefas e avaliar resultados. Principalmente, a avaliação acontece dentro dum período de tempo relativamente curto para decidir entre aonde ir para a frente, repetir ou cair. Assim, chamamos esses tipos de atividades avaliação, revisão do desenho, verificação da fase, tomada de decisão como evento. Nesta conjuntura pode-se ter duas categorias de codificação; tarefa e evento. Em conclusão pode-se modelar um processo de desenho com quatro categorias de codificação; Tarefa, evento, fluxo de informações e interação, e podem ser representados com a conexão de estágios. Neste ponto uma etapa dum processo de desenho pode ser representada com a tarefa de input desenho de atividade e evento de tomada de decisão-output. Os itens a seguir descrevem como codificar elementos de processo com as quatro categorias de codificação acima.
•Tarefa: limpar tarefas que os desenhadores executam, como esboços de ideias, modelação 3D, e outras coisas. Uma das respostas disse que faz esboços grosseiros com uma caneta esferográfica para expressar minha ideia, dá-lhe por vezes alguma cor e depois digitaliza-lo para retocar no Photoshop, e isto pode ser classificado por uma categoria de tarefa com o rótulo esboço da ideia.
• Evento: após uma tarefa específica, um evento tomado de decisão prossegue, levando à ação seguinte. Numa conversa uma empresa dá os seus desenhos a outra empresa de maquetes para realizar dois ou três os protótipos em conversa com os engenheiros dessa empresa e aprovação da direção para produzir determinado desenho, e isto pode ser classificado por uma categoria de reunião de avaliação da maquete na categoria de eventos.
• Fluxo de informações: fluxo de informações é gerado quando uma tarefa ou um evento acontece. É sempre acompanhado de entrada e saída. Numa conversa alguns desenhadores industriais disseram que iniciam o trabalho quando os desenhadores de engenharia enviam as especificações do produto. Isto descreve que os desenhadores industriais receberam dados de especificação dos engenheiros como um input com o qual eles começaram seu trabalho, e depois codificar as especificações quando uma maquete 3D volta para o departamento de engenharia. São enviados arquivos em STEP que são utilizados para a prototipagem. Isso descreve que eles enviaram dados CAD 3D como a saída de sua atividade dos desenhos para os desenhadores de engenharia, que se tornam uma entrada para a seguinte atividade do desenho de engenharia, para serem codificamos.
• Interação: quando uma tarefa ou evento ocorre os dois grupos interagem frequentemente. Por exemplo, enquanto os desenhadores industriais verificaram se o espaço interno poderia ser modificado, os desenhadores de engenharia aconselham fornecendo informações relacionadas. Nesses casos a interação intensiva acontece e o desenhador de engenharia serve como um consultor. Numa conversa os desenhadores de engenharia explicam que deve ser colocado aqui e para que deve ser colocado lá. Então irá se modificar a dimensão e a posição e perguntar-lhes novamente se a diferença de milímetros pode ser reduzida.
Identifica-se elementos dos processos de cada pedaço de dados das conversas. Nós os rotulamos com a própria palavra do participante na medida do possível. Utiliza-se as notas de campo como fonte de dados suplementares. Ao fazer isso, organiza-se e liga-se os elementos codificados num formato de fluxograma cronologicamente para construir processos de desenhos parciais. Este método é amplamente adotado para visualizar modelos de processo na indústria. Também determinamos os tipos de desenhos e os objetivos envolvidos nos processos do desenho a partir dos dados da entrevista. Alguns dos procedimentos são executados, sendo que a partir dai possível contruir os processos do desenho parcial e examinar os dados das conversas, assim obter os vários processos do desenho parcial das conversas com as empresas como se pode observar na TABELA02.
Empresa A B C D E F Total
Nº desenhos parciais 9 7 7 8 9 7 47
Nº desenhos de produto colaborativos 3 1 2 2 3 1 12
TABELA02
1.2.2 identificação dos processos colaborativos do desenho de produto
Continuação – https://rishivadher.blogspot.pt/2017/01/processos-colaborativos-do-desenho_24.html
Enviar um comentário