Prototipagem 3D caseira(parte7)

Continuação – https://rishivadher.blogspot.pt/2016/11/prototipagem-3d-caseiraparte6.html
4.4. Início de fabricação
No que diz respeito à interrupção de modelos de negócios da fabricação caseira realiza mudanças semelhantes como a fabricação direta como casa de fabricação é de fabricação direta que ocorre em casa embora potencialmente a uma extensão muito maior.
Além das mudanças esperadas na proposição de valor muito mais produtos e serviços podem ser desenvolvidos quando os consumidores têm uma impressora 3D em casa, entrega de valor da mesma forma, cada consumidor que possui uma impressora 3D torna-se parte da rede de valor e a impressora torna-se um ativo complementar que está prevista na fabricação caseira para melhorar a entrega de valor ainda mais à medida que cada consumidor que possui uma impressora torna-se um potencial canal de distribuição e até mesmo o segmento de menor mercado-alvo se torna econômica.
IMAGEM02
IMAGEM02
Na verdade, a fabricação caseira pode resultar num circulo de retroalimentação positiva entre a criação de valor, proposição de valor e entrega de valor como se pode ver na IMAGEM02. Com efeito, tanto crowdsourcing e personalização em larga escala permitirá aumentar a criação de valor o que por sua vez permite melhorar os serviços de proposição de valor e oferecer que desenvolvem crowdsourcing e customização em massa. Mudanças no valor de fundo na proposição de mudanças na entrega de valor que podem desencadear uma maior adoção de impressoras 3D como por exemplo, à medida que mais produtos personalizados em massa são entregues havendo mais incentivos para que os consumidores tenham a sua própria impressora 3D. Uma maior adoção de impressoras 3D pode desenvolver novas oportunidades de crowdsourcing e personalização em larga escala e consequentemente, aumentar a criação de valor.
Em relação ao valor de captação da estrutura de custos seria melhorada, como os consumidores apenas suportam a fabricação e distribuição se houver custos. No entanto este alto envolvimento do consumidor é uma faca de dois gumes, na verdade como evidenciado pelo que aconteceu em outras indústrias digitais, quando os consumidores têm os meios de produção e distribuição, valor capturando que pode tornar-se extremamente difícil. Este é provável que seja ainda mais o caso quando os consumidores se envolvem em atividades de cocriação. Se os consumidores têm ajudado com ou mesmo iniciado o desenho de um objeto e que fabricá-lo às suas próprias custas, o quanto eles são suscetíveis de estar dispostos a pagar pelo direito de fazê-lo? Enquanto o papel das empresas pode permanecer crítica que pode por exemplo garantir que o objeto resultante é impresso e isso será percebido pelos consumidores e quanto estes vão estar dispostos a pagar para as empresas a desempenhar esse papel? A impressão caseira torna-se largamente adoptada e irá forçar as empresas a repensar ambos os modelos de receita e distribuição de lucros.
Além da questão do papel onipresente dos consumidores no processo de produção como clientes a impressão em casa também levanta a questão dos consumidores como produtores. Com efeito nas últimas décadas o papel dos consumidores nos processos de produção mudou de uma função quase inteiramente passivo para um papel muito mais activo e em alguns casos, o papel dominante. Como exemplificado pela Web 2.0 e médias sociais, as tecnologias digitais viraram consumidores como pro-consumidores e permitiu que os clientes tenham controle sobre o desenho técnico e produção dos seus próprios produtos originais. Enquanto uma participação massiva de consumidores certamente tem um impacto positivo significativo em termos de criatividade e coordenação de mercado, também levanta questões importantes pois tende a esvaziar as empresas existentes e faz encontrar modelos alternativos de receita e de fixação de preços particularmente difícil. Algumas empresas podem assim ter de mudar completamente o seu modelo de receita e avançar para mais produtos de valor agregado dispositivos de alta tecnologia que não pode ser impresso ou derivar receita de serviços complementares por exemplo para a validação e garantias.
5. Como a impressão 3D está a mudar a inovação do modelo de negócios
Na seção anterior é bastante claro que as tecnologias de impressão 3D tem o potencial para ser extremamente perturbadores e levar a significativa inovação do modelo de negócios. Uma das formas de realizar inovação do modelo de negócio é fazer mudanças significativas a vários componentes do modelo de negócios. No entanto o efeito de impressão 3D na inovação do modelo de negócio vai muito além disso, além de possibilitar a inovação do modelo de negócios, alterando componentes de negócios, tecnologias de impressão 3D também têm o potencial de mudar significativamente a forma como a inovação empresarial é realizada. As seguintes duas seções detalham essas mudanças críticas.
5.1. Rumo a modelos de negócios móveis e adaptativo
Enquanto modelos de negócios evolui naturalmente com as horas extraordinárias as empresas às vezes é precisam de mudar dum modelo de negócio para outro, quer para alavancar o lucro decorrente e oportunidades de crescimento ou para evitar os efeitos potencialmente letais de mudanças tecnológicas.
Em ambos determinados casos a capacidade de mover dum modelo de negócio horizontalmente para mercados novos ou já existentes é um especto fundamental da necessária inovação do modelo de negócios. No entanto esse tipo de movimento é muitas vezes arriscado porque os investimentos significativos têm que ser feitos antes mesmo de entrar no mercado e as tecnologias de impressão 3D fazem movimentos laterais menos arriscado, porque os produtos podem ser fabricados sob demanda com custos mínimos. Além de serem utilizados para a inserção de mercados actuais e a mesma estratégia pode ser utilizada para inteiramente novos mercados.
Além dos movimentos laterais a tecnologias de impressão 3D pode habilitar empresa mover se rapidamente, por exemplo as empresas podem abrir mão da fabricação para os clientes e se concentrar no desenho e no serviço. Em contraste algumas empresas de desenho que eram dependentes de intermediários para a fabricação dos seus produtos podem decidir tomar a fabricação em suas próprias mãos. Isto também significa que as empresas podem mais facilmente adaptar a dimensão do seu modelo de negócio e assumir mais atividades.
Assim a impressão 3D permite mudar rapidamente o grau de integração vertical e a variação do grau de integração vertical, como um resultado da inovação depende essencialmente da natureza da inovação considerado. Enquanto a inovação incremental não é esperada para levar a mudanças significativas, inovação arquitetónica tende a aumentar a integração e o mesmo acontece com a inovação radical embora não tão claramente, em contraste a inovação modular tende a diminuir o grau de integração.
Continuação – https://rishivadher.blogspot.pt/2016/12/prototipagem-3d-caseiraparte8.html
Enviar um comentário