A tecnologia das fabricas floresce nas zonas de cultivo (Part2/2)

Continuação – https://rishivadher.blogspot.pt/2017/02/a-tecnologia-das-fabricas-floresce-nas.html
Os SW60 são máquinas autossuficiente industriais equipadas com dezenas de manipuladores robóticos independentes que são capazes de pegar num fruto um por um. Elementos chave da tecnologia patenteada do robô são a sua ferramenta de colheita, especialmente concebida para garantir o tratamento de frutos delicados e suaves, e a sua avançada visão por computador que é vital para escolher apenas frutas maduras que satisfaçam o padrão.
As economias são feitas pela redução dos custos de mão-de-obra e apenas pela colheita de frutos maduros.
imagem06
IMAGEM06
O caso da Harvest Automation nos EUA planta essa ideia que tem cem robôs HV-100 que reduzem lesões e aumentam o uso eficiente do espaço em estufas e viveiros, o trabalhando em equipa esses robôs móveis pequenos e fáceis de programar executam uma grande variedade de tarefas de manuseio de plantas incluindo espaçamento, consolidação e adquirir. Eles têm capacidade de carga e descarga automática e são seguros e flexíveis, foram desenhados não apenas para navegar dentro da infraestrutura atual, mas também para mudar e manipular seu ambiente. Além de realizarem trabalhos, eles estão aquisição de informações que podem ser utilizas na análise e planeamento da produção. Os produtos futuros incluirão sensores adicionais e tecnologias de captura de imagens que permitirão uma aquisição de dados mais escalável.
Altman Plants têm quatro HV-100s, trabalhando no seu viveiro cor-de-rosa de 60 hectares no lago Matthews, Califórnia. Os robôs podem acomodar cerca de 200 mil plantas durante o período de pico de expedição sem afetar a disponibilidade de mão-de-obra. O resultado é uma rosa de maior qualidade e muito menos plantas que precisam de poda adicional e outro ciclo de crescimento.
IMAGEM07
IMAGEM07
O trabalho colaborativo de equipes de pequenos robôs autônomos também foram uma parte fundamental do conceito de David Dorhout quando ele veio com seu protótipo de trabalho, Prospero o Robot agricultor.
Prospero é controlado com um chip Parallax Propeller e um microcontrolador multicore montado numa sela sem solda, Propeller protoboard para a criação de circuitos. Seu corpo é desenhado pela Lynxmotion e é programado para andar em qualquer direção, evitando objetos.
Um sensor do dentro da estrutura informa se uma semente foi plantada na área no espaço e profundidade ideal. Prospero pode então cavar um buraco, plantar uma semente, cobri-lo e aplicar qualquer pré-emergência fertilizantes ou herbicidas, também pode comunicar com outros robôs na proximidade imediata via IR que precisa de ajuda de plantação ou que a área foi plantada e seguir em frente.
Dorhout R&D acredita que robôs inteligentes como o Prospero a trabalhar colaborativa mente num enxame podem liberar o agricultor para se concentrar no seu negócio e na ciência da agricultura.
Um agricultor que esteja a trabalhar no seu trator tem que tomar decisões em grande escala pelo que todas as decisões são importantes. Prospero pode tomar decisões numa maior resolução, com base em fatores como a condição do solo, pode operar numa escala muito pequena. Se estiver muito molhado para plantar um canto dum campo um dia então pode voltar a replantar mais tarde.
Tanto havendo robôs a trabalhar em equipa ou individualmente oferecem grandes benefícios.
Produtores de queijo e seus variados através do leite colhido nos seus próprios campos podem introduzir robôs que transformar os queijos na adega de queijo do campo para redistribuir a humidade que é uma parte essencial do processo de maturação de 12 a 18 meses, normalmente podem ser transformados cinco mil queijos à mão, mas um trabalho que ninguém gostava de fazer numa arca frigorífica e nem sempre é levado a cabo com consistência.
Desenhado pela JNJ Automation na Suíça, o robô, agora carinhosamente conhecido como "Tina Turner", foi projetado para ajudar. Pode ser programado facilmente através dum painel dum écran tátil e deixado sozinho para transformar os queijos, colocá-los numa prateleira diferente e até mesmo em vácuo ou escovar os topos fora. Para os produtores de queijo o grande benefício foi a melhoria na qualidade do queijo.
E qual será o futuro dos campos de cultivos
Continuamente espantado e inspirado pelos desenvolvimentos da robótica no agrícola.
Acho que são tempos sem precedentes para a indústria, a redução dos custos irá acontecer nos próximos anos assim como a interoperabilidade com os sistemas existentes como por exemplo, ser informado pelo GPS sobre o tempo. Os robots irão precisar de uma fonte de energia, e isso precisa de ser se pensado, mas nada disto é insuperável.
imagem08IMAGEM08
Inovação focada na agricultara quando os agricultores 2.0 estão a observar o céu pelo que anseiam provavelmente pela ajuda dum satélite.
Plantação de sementes da numa agricultura autônoma através de várias tecnologias inteligentes que estão sendo desenvolvidas para aumentar a eficiência agrícola com foco pesado em máquinas automatizadas e a orientação GPS.
Na agricultura autónoma a empresa Case IH providencia soluções inovadoras para a o negocio da agricultura e recentemente introduziu um trator autómato nos EUA. O protótipo é um trator sem condutor que foi desenvolvido pensando na produtividade e aumento da eficiência.
O tractor da Case IH representa a expressão final da tecnologia autónoma este conceito veículo introduz um conjunto de novas tecnologias, muitos dos quais irá aumentar a eficiência da produção, os produtores vêm rapidamente o potencial de como tal solução poderia contribuir para uma conclusão mais rápida da tarefa de campo o que é crítico para o aumento dos rendimentos das culturas.
Uma interface totalmente interativa fornece monitoramento remoto das operações pré-programadas, como controlo de profundidade da lavoura, o sistema a bordo conta automaticamente a largura para implementar e projetar as trajetórias mais eficientes em função do terreno e das obstruções e outras máquinas que operam no mesmo campo.
À medida que o trator avança um operador remoto pode supervisionar e ajustar trajetórias através de um computador portátil e/ou tablet. O veículo pode detetar obstáculos fixos e móveis no seu caminho utilizando radar, LIDAR para a deteção e variação imagens claras através de câmaras de vídeo a bordo. Isso fará com que pare e envie alertas sonoros e visuais para o operador que pode atribuir um novo trajeto.
A perda do sinal GPS ou o pressionar do botão de paragem manual também o interromperá imediatamente, as tarefas atribuídas ao trator podem ser alteradas remotamente em resposta a avisos meteorológicos, como por exemplo se começa a chover onde o trator está pulverizando pesticidas o trator pode trabalhar um campo diferente.
A substituição do trator uma ideia pela empresa dinamarquesa Agrointelli quer ir mais longe, removendo o trator do campo agrícola completamente, desenvolveram Robotti, um suporte de implementos modular que pode transportar 750 kg, 150 kg acima do seu próprio peso, sendo destinado à utilização em fileiras de culturas.
Em cada unidade pode ter uma largura de pista e até quatro metros para implementar podendo ter um motor extra instalado para controlar máquinas de tomada de força, como um pulverizador ou rotavator. Atualmente a unidade pode funcionar por sete horas sem parar, os regulamentos da UE estipulam que esses veículos sem motorista devem ser monitorados a distância, caso eles precisem ser interrompidos manualmente, mas eles são controlados principalmente a partir do computador da herdade do campo agrícola ou dum aplicativo móvel a um quilômetro de distância.
Sendo quatro rodas motrizes para que possam trabalhar em qualquer terreno estando já em curso trabalhos de desenvolvimento para permitir que os robôs pulverizem pesticidas realizem trabalhos de rotavator e possivelmente colherem também as colheitas.
Embora ainda um protótipo Robotti vai para o lançamento completo na primavera de 2017, o custo da unidade pequena é de por volta dos sessenta e dois mil euros.
imagem09IMAGEM09
A ajuda do céu que os produtores olham fixamente frequentemente no céu, esperando a chuva para regar suas colheitas, mas quando os agricultores 2.0 olhar para o céu, eles provavelmente estão desejando ajuda de um satélite.
A empresa irlandesa Sixty-5 desenvolveu o Grass-Guide, um sistema GPS que orienta os agricultores a espalharem fertilizantes ou pesticidas para eliminar sobreposições e áreas perdidas, a empresa diz que a utilização de GPS pode economizar até 15% nos custos com fertilizantes.
O operador do trator simplesmente entra dá entrada da largura e implementa no software que faz o resto. Grass-Guide exibe o mapa de cobertura e as diretrizes assim como o trajeto que o operador deve seguir eliminando a necessidade de linhas A-B ou barra de luz.
Construída numa plataforma Android o sistema inclui um tablet de sete polegadas Samsung. O Grass-Guide utiliza o mais recente recetor de satélite NovAtel GPS/ Glonass Agstar, o tablet liga para o receptor via Bluetooth, e uma saída GPS também está disponível para ligar a implementos como semeadores de fertilizantes. No final da operação o mapa de tratamento é enviado para um portal de nuvem online dedicado para posterior ser gerido e rastejável.
imagem10IMAGEM10
Com a tecnologia da Sixty-5 os agricultores podem aumentar a sua eficiência com um produto de nível de entrada que alivia a pressão constante para concluir os trabalhos dependentes do tempo em tempo útil, para economizar em insumos como fertilizantes e para registar o que foi feito aos legisladores e consumidores através da rastreabilidade.
Enviar um comentário